Sim, continuo batendo na mesma tecla

vectra gt



Antes de ler todo o resto da postagem, por favor acesse, pelo menos, um destes links:


http://www.webmotors.com.br/wmpublicador/Reportagens_Conteudo.vxlpub?hnid=38341

http://www.celtaclube.com.br/forum/lofiversion/index.php/t51599.html

http://www2.uol.com.br/bestcars/testes3/vectra-gt-1.htm

http://www2.uol.com.br/bestcars/artigos/astra.htm

http://www2.uol.com.br/bestcars/un12/253-07.htm

http://www2.uol.com.br/bestcars/editorial/252.htm


É, eu sei que é um pouco tarde, que isso já se tornou redundante e que não adianta mais gritar. Mas a GM, ao fabricar o Opel Astra no Brasil e chama-lo de Vectra, está ludibriando o consumidor. Está bem, concordo que a fábrica pode chamar um produto seu pelo nome que quiser, como disse Fabrício Samahá do ótimo site Best Cars, mas, como ele mesmo disse, “é uma questão de respeito ao consumidor haver coerência entre o antigo e o novo modelo que compartilham o nome no mesmo mercado”.

O Vectra desembarcou aqui em 1993 como um sedan médio-grande que mais tarde substituiria o monza (ou Opel Ascona). O kadet seria substituído pelo Astra. Coerência total, claro. Em 1996 foi lançada a segunda geração do Vectra e em 1998 a segunda geração do Astra. O primeiro substituiu de vez o Monza e o segundo substituiu de vez o Kadet (a primeira geração do Astra chegou a ser vendida aqui apenas em 1995). Em 2005 a GM lançou no Brasil o que seria a terceira geração do Vectra. Mas havia algo estranho. Observando fotos da terceira geração do Opel Vectra, notei algumas incoerências. O carro era bem diferente do lançado aqui, sendo este bem semelhante ao Astra hatch lançado na Europa em 2003. Para piorar, em alguns países europeus foi lançado o Opel Astra Sedan. Bingo! Exatamente igual ao nosso “Vectra”, com ressalvas apenas para a dianteira, que aqui recebeu identidade visual própria.

Agora o consumidor está em uma sinuca. É público e notório que está comprando Astra, um carro de categoria inferior, por um preço que o Vectra “de verdade”, provavelmente, teria. Está pagando o prestígio do nome “Vectra”, e está levando um carro inferior tecnicamente. Tão inferior que sua suspensão involuiu em relação à segunda geração do Vectra. Não digo que o Opel Astra, ou “Vectra GT” no caso do Hatch, seja um produto ruim por ser inferior ao Vectra. Muito pelo contrario, é um automóvel espaçoso, confortável e com um comportamento dinâmico bom. Mesmo tendo, no Brasil, uma mecânica defasada em relação à concorrência, ainda é confiável e possui um desempenho razoável.

Mas sejamos realistas, a GM, marca que sempre admirei pela sua ótima linha de produtos na década de 90, está cometendo um desrespeito imenso ao consumidor, coisa do tipo que Toyota, Honda e outras não cometem. O último boato é que a nova geração do Opel Corsa venha para o cá com o nome de “Astra”. Acho que seria o fim da picada. Continuemos a bater na mesma tecla, quem sabe resolva alguma coisa.
Share on Google Plus

Autor: Rodrigo Costa

Do ponto A ao ponto B, pensando na vida, no volante e tudo mais.

0 comentários:

Postar um comentário

Não concorda, nem discorda e muito pelo contrário? Comente aí!