Muscle Cars, a rendição. Será?


Dodge Charger (1968) - picture 1 of 1 - Front Angle - image resolution: 1024x768

Confesso que sempre fui ferrenho crítico dos muscle car. Mustangs, Camarros, Chargers e outros mais, para mim sempre demonstraram toda a irracionalidade e força bruta vencendo o desenvolvimento e refinamento técnico. Porém, passou pela minha cabeça que eu simplesmente não compreendia estes ícones "estadosunidenses". E como todo bom ser humano, comecei a odiar o que eu não entendia.

Bom, depois de certa idade, começamos a dar valor às coisas simples e de coração. Um jantar glamuroso em um restaurante caro é bom? Sem dúvida. Uma estadia em uma suíte presidencial do melhor hotel da cidade é bom. Sem dúvida também. Mas e um churrasco regado a cerveja barata, asinha de frango e linguiça com todos os amigos presentes? E um final de semana na casa da avó com toda a família, ou uma viagem para um lugar simplesinho, mas com amigos de infância?

Entendeu? A Ferrari 599 GTB Fiorano (minha atual Favorita) é um jantar chique. Excelente, mas caro, impessoal e uma emoção que você terá poucas oportunidades de viver. O Chevrolet Camaro é a pizza barata com todos que você gosta. É a cerveja pilsen gelada em meio a risadas. Barato? Sim. Pouco refinado? Sim. Mas acelera bem, é confiável, de certo modo confortável e você pode usar todo dia (não vou entrar no mérito do consumo, mas há um eficiente V6 como opção ao V8).

Será então minha rendição aos "suspensão-traseira-de-caminhão-cars"? Calma. Só me rendi por um detalhe: justamente a suspensão traseira que não é mais de caminhão em vários modelos, como Mustang, Chalenger e Camaro. Frescura? Nem tanto, afinal de que adianta tanto torque se na primeira curva você corria o risco de perder o controle do carro? Além disso, a potência específica de seus motores estão quase a níveis europeus.

Posso dizer então que comecei a gostar dos muscle cars justamente por não serem mais muscle cars puros. Sim, agora eles são aquele tio rico que leva uma garrafa de Lambrusco para o churrasco na casa dos primos e da uma incrementada na festa, que mesmo assim continua simples, acessível e, por que não, inesquecível e sempre especial.
Share on Google Plus

Autor: Rodrigo Costa

Do ponto A ao ponto B, pensando na vida, no volante e tudo mais.

2 comentários:

  1. Chegando hoje no blog, lendo seus posts... porque eu sou assim. Quando gosto de um blog vou lendo os posts, porque quem gastou tempo neles, pensando e digitando quer q os outros tb leiam eles !

    Neste post eu vejo sua opinião sobre os Muscle Cars, mas só não entendo em que país que tem carros assim " simples, acessível" ... no Brasil em que eu vivo, não !

    Aqui Camaro tem preços 2 vezes e meia maior do que nos EUA, o Mustang não é importado oficialmente pela Ford e é difícil ver um Charger, porque são caríssimos, carros de magnatas, do Cachoeira e dos filhos do Perillo.

    Desculpa a franqueza... mas é que a gente é critico mesmo...

    Agora se for nos EUA, ai eu assino em baixo e concordo em tudo com o seu texto. Lá o preço desses carros e o salário de um trabalhador chegam mais perto um do outro, e voce pode ter um desses e tirar onda com uma Ferrari muito mais cara !

    Xracer

    Visite o meu blog !
    http:\\autoentusiastas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Opa! Muto obrigado por ler! Eu fico muito feliz.

    Ah, concordo com vc! Brasil é que não é.

    Mas mesmo assim, no Brasil, um Camaro, por exemplo, é beeeeemmmm mais barato que a Ferrari mais barata. Aí faz sentido.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Não concorda, nem discorda e muito pelo contrário? Comente aí!